Nos acompanhe através das redes socias

Boletim Informativo

Para manter-se atualizado, cadastre seu e-mail e receba os nossos informativos periódicos!

06 de Agosto de 2020

Clipping – G1 - Registros de casamentos civis no Ceará crescem entre junho e julho

Fonte: G1

Os registros de casamentos civis no Ceará cresceram entre os meses de junho e julho de 2020. Os números que estavam sendo registrados abaixo dos mil, desde abril, passaram de 927 registros, para 1.327, no mês de julho.

Os dados são da plataforma de Transparência do Registro Civil, mantida pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (ARPEN).

Nesses quase cinco meses de pandemia, o Estado registrou 4.362 casamentos civis, o que soma uma queda de 56.3%, se comparado aos 9.993 registros no mesmo período de 2019. Para o diretor de tecnologias da Associação Cearense de Registradores de Pessoas Naturais (ARPEN-CE), Guilherme Araripe, esse início de aumento nos números, é em decorrência a diminuição dos casos de Covid-19, no Ceará.

Ele também destacou que os cartórios seguiram realizando casamentos durante o período de isolamento social, mas em regime de plantão e com protocolos sanitários rígidos para conter a disseminação do coronavírus.

“Os casamentos são realizados atendendo às medidas protetivas sugeridas pelos órgãos de saúde, que são o distanciamento, o uso obrigatório e poucas pessoas na cerimônia, evitando a aglomeração e disseminação do vírus”, explica o diretor tecnológico.

Apesar de demonstrar esse aumento, os números ainda estão muito abaixo da normalidade. Em julho de 2019, foram contabilizados 2.301 casamentos civis, ou seja, em comparação a julho de 2020, foi registrada diminuição de 42.3%.

Às pressas

Apesar da pandemia, o casal Breno Oliveira, 23, e Brena Oliveira, 24, conseguiram firmar a união civil em um cartório da Capital no último dia 2 de julho. Contudo, a celebração não aconteceu conforme esperavam.

“A gente não teve muita escolha. A celebração não foi tão boa quanto queríamos. Foi em um local mais aberto, onde a juíza dividiu a mesa com outra pessoa. Foi muito rápido. Ela não lembrou nem de chamar para a troca de alianças. Depois, nós fomos pra sala apenas para tirar as fotos”, comenta a assistente de logística, Brena.

Programada para o próximo dia 15, em uma igreja evangélica, a cerimônia religiosa deve acontecer forma mais intimista. “Nossa comemoração vai ser menor do que seria, mas não temos planos de fazer uma outra maior depois da pandemia. Essa já atende ao que queremos”, diz Brena.


Fonte: G1

Confira Também